Aurino Costa nasceu em quatro de junho de mil novecentos e quatorze (04/06/1914), na Serra de Santíssimo (hoje Bairro de Santíssimo na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro). Aurino nasceu normal, cresceu rápido, andou... Correu como toda a criança até completar sete anos, foi quando começou a sentir dores e câimbras nas pernas.

 

             Aos doze anos foi morar com sua irmã e conseguiu seu primeiro emprego, como aprendiz de eletricista enrolador, em uma oficina de consertos de motores elétricos, no bairro de Vila Isabel/RJ. Nesta época ele trabalhava de dia e estudava a noite.

 

            Aos quinze anos, quando já trabalhava há três anos, na oficina e usufruía a confiança de seu chefe, foi convidado a acompanhá-lo em um trabalho no município de Angra dos Reis/RJ. Lá chegando começou a não se sentir bem, os pés incharam, ficaram pretos e começaram a doer, após uma semana, não suportou mais as dores e retornou a cidade do Rio de Janeiro. E com o agravamento da doença, precisou abandonar o emprego, visto que as dores não o deixariam mais.

 

            Estava quase sem movimentos, movia-se com muita dificuldade. A doença agora agia em ritmo acelerado. Quando ocorriam as crises, o deixavam no leito. E quando se erguia percebia que as deficiências físicas tinham aumentado. Em breve não ficaria mais de pé.

 

            As preocupações surgiram com a possibilidade de ficar entrevado. Seus membros se deformavam. Só lhe restava conviver com as deficiências, como se elas fossem um novo padrão de normalidade, “alguns devem aprender a ser domadores de suas tempestades e aquietá-las, o mais possível, para não correrem o risco de ser a própria tempestade”.

 

            Seu estado físico se agravava, aos dezessete anos perdeu a flexão da perna direita e a esquerda piorava. Quis estudar... Não pode. Tentou ser técnico em motores elétricos... Não pode. Não andava mais. Preso ao leito sua juventude e paciência atraíam a simpatia de muitos conhecidos e de novos amigos. Ganhava muitos livros e passou a dedicar-se a leitura. Tornou-se autodidata aumentando o seu conhecimento e desenvolvendo uma visão mais ampla das coisas. Dedicou-se também a leitura de obras espiritualistas, pois na ocasião já se tornara espírita.

 

            Aos dezenove anos aproximadamente, sua situação se agravou. Internou-se na Santa Casa e após diversas pesquisas, a doença foi diagnosticada como Artrite Reumatóide Infecciosa.

 

            Certa manhã ao despertar apoiou a mão para se sentar, porém a bacia do lado direito não flexionou. Daí por diante, as articulações foram enrijecendo, obrigado-o a ficar permanentemente na posição horizontal.

 

            A indagação, o estudo, as leituras, a busca para o entendimento para os problemas humanos e espirituais, tornou-se constante. Pensou no futuro, depois que as grandes tempestades houvessem passado, faria alguma coisa que desse expressão à sua experiência...começava a ser fecundada a semente que brotaria a Ação Cristã.

 

            Os médicos o haviam desenganado. Sabia que não se recuperaria mais, voltou para casa desiludido, mas não revoltado. Aprendeu que sua posição horizontal seria a sua normalidade. Acalentava no âmago, à vontade de fazer algo pelas pessoas semelhantes a ele.

 

            Chegou aos vinte e quatro anos pensando em como daria partida aos seus planos. Porém, sentia que ainda era cedo e que precisava de mais maturidade.

 

       Desejava canalizar suas energias para um trabalho assistencial, voltado para os Portadores de Necessidades Especiais, sem base econômica, que lhes amenizasse a situação. O trabalho seria um meio que possibilitaria o emprego de suas potencialidades, para que se tornem úteis.

 

            Com o falecimento de sua mãe, mudou-se para a sede do Grêmio Espírita Luz e Amor, no bairro de Bangu/RJ, que tinha como o seu presidente o Sr. Vicente Moretti, e lá Aurino viveria por vinte e dois anos e prepararia a fundação da ACVM.

 

            Aurino, ainda participou de algumas sociedades comerciais, o que lhe desenvolveu uma visão empresarial.

 

            A idéia de uma obra social nasceu como vimos da própria situação de Aurino, que viveu a problemática dos Portadores de Necessidades Especiais que lutavam e lutam até os dias atuais, com grande dificuldade. Sua idéia encontrou grande receptividade junto aos seus amigos, que logo o apoiaram e se prontificaram a ajudar no que fosse possível.

 

            Estava, na época, organizando uma caixa de socorro para o auxílio aos necessitados. Preparava também o quadro social e já conseguira alguns sócios. Foi quando em 1958 Aurino conheceu Geraldo de Aquino, que pertencia à obra de assistência social Paulo de Tarso e que também possuía o desejo de fundar uma obra assistencial para atender aos Portadores de Necessidades Especiais. No encontro acertou-se a fundação da obra idealizada por ambos, no terreno da Rua Maravilha. Quando tudo estava resolvido, o estado de saúde de Aurino agravou-se por dois anos. E seus planos tiveram que esperar... Quando se sentiu mais fortalecido, escreveu a Geraldo, que respondeu explicando que devido a outros compromissos já assumidos, não poderia mais participar, porém doou o terreno da Rua Maravilha, 308 no bairro de Bangu/RJ, para a fundação da obra.

 

            Lá havia pequena construção, Aurino mandou construir uma pequena casa e logo que ficou pronta mudou-se para poder estabelecer as bases do trabalho.

 

            Sendo marcada a data da fundação. E a seguir descrevemos um pequeno resumo da Ata da solenidade.

 

            “Aos vinte quatro dias do mês de junho de mil novecentos e sessenta e um, sábado, às 16h00min horas, na Rua Maravilha, n.º 308 no bairro de Bangu, Estado da Guanabara, Brasil, residência do Sr. Aurino Costa, e com a presença de todos os signatários desta, é fundada a Ação Cristã Vicente Moretti, cuja denominação é uma singela homenagem ao grande companheiro das lides sociais e espirituais do Ramal de Santa Cruz, já no plano invisível.

 

            A Ação Cristã Vicente Moretti tem por finalidade e objetivos dar assistência física, moral e espiritual, e, se possível educacional, ao incapacitado físico (paralíticos e mutilados) sem distinção de cor, religião e posição social.

 

            Por unanimidade dos presentes foi escolhida a comissão que estudará o anteprojeto do Estatuto da Instituição, composta dos seguintes irmãos: Aurino Costa, Capitão Arnaldo Mesquita Bitencourt e Henrique de Oliveira Santos.

 

           A convite do nosso irmão Aurino, assumiu a presidência da solenidade o Tenente Coronel do Exercito Mário J. da Rocha, nosso confrade, o qual, dando seqüência aos trabalhos, convidou para secretariar a mesa o Professor Eloy Barreto, e em seguida convidou a irmã Zita Moreira para fazer a prece inicial. Após foi lida, pelo irmão que secretariou a reunião, uma página contendo os princípios que deveriam nortear a nova Instituição.

 

            Foi eleita por aclamação, para reger os destinos da Instituição até o dia oito de julho, a seguinte diretoria provisória:

 

            Presidente Aurino Costa, Dir. Assistencial João de Deus, Primeiro Secretário Henrique de O. Santos, Tesoureiro Antônio Rosas Corrêa, Procurador Guilherme Caju.

 

            Esta Diretoria convidou os presentes para se reunirem no dia 08 de julho, quando providenciará a reeleição por um prazo maior.

 

            A partir da Diretoria Efetiva, a Instituição começou a se desenvolver. Foram feitas campanhas para ampliar o número de sócios, venda de papel e latas, almoços, chás e etc. O trabalho continuou árduo para que pequena e frágil árvore Moretti pudesse crescer.

 

            O tempo corria célere e a deficiência respiratória de Aurino agravou-se, foi quando lhe foi orientado a amputação de suas pernas, para que na posição vertical, em uma cadeira de rodas, ele pudesse se locomover e sanar em parte a suas dificuldades físicas. Em 19 de junho de 1967, submeteu-se a cirurgia. E na posição vertical tornou-se mais ativo. Passando a dedicar-secada vez mais ao crescimento da Instituição.

 

            E após anos vividos em função da Ação Cristã Vicente Moretti, Aurinoteve  a importância de sua obra reconhecida pelo vereador Carlos de Carvalho, que o homenageou com a medalha de Mérito Pedro Ernesto.

 

            Nos meses seguintes ele foi se desligando dos seus afazeres, sentia-se enfraquecer... Sua missão na Terra estava por findar-se.

            E na madrugada do dia 19 de dezembro de 1986, foi internado na Beneficência Portuguesa, onde desencarnou.